7/06/2008

Mega Artesanal 2008.Cheguei.


Mooooorta, mas feliz!

Maratona de dois dias de correria. Muita coisa linda pra ver e aprender e todo mundo que nem "barata tonta".
Queria fuxicar tudo mas não deu.
Então, vamos lá.

Amei:
*A equipe do Projeto Mural Color que organizou a viagem (Adriana, Kátia, Cláudia, um beijo!);
*Os produtos da Duna (amo sempre). Cheguei tarde e já estava quase tudo vendido;
*Lã para feltragem da Prince. Consegui, finalmente;
*A variedade de produtos pra fazer qualquer coisa;
*A atenção e simpatia dos expositores;
*A minha máquina de overlock que vai chegar em breve;
*O stand da Sisalsul.Pena que não dava pra fazer os cursos.
Muita gente e pouco tempo;
*A simpatia do Dotan do programa Ateliê na TV. A minha artesã preferida não pôde ir e saímos a pedir (resultado da leitura de blogs portugueses)autógrafos e fotos pra levar pra ela;

*A fuga em massa para a 25 de março na manhã de sábado, antes da Mega(pensei que só eu tivesse pensado nisso).Essa foi a maior aventura da viagem.
Visitei todas aquelas lojas que só conhecia pela internet:Aslan, Ambar, Puppet, Gaivota ,Sta Terezinha ...
Conhecem a expressão "pinto no lixo"? Pois era eu mesma :)
Aproveito para parabenizar o Surziper pelo fórum nota dez que deu muitas dicas de lojas.
Palmas pras meninas!!
*Correr (desnecessariamente) pra dentro das lojas achando que ia sair confusão entre os camelôs e a polícia ;
*Andar de metrô (até parece que no Rio não tem metrô).
Explico: superei o medo de andar pela cidade de São Paulo com a sensação de atravessando o Triângulo da Bermudas, graças a minha prima Rogéria (foto acima) que não tem medo de nada (ainda não sei se é coragem ou maluquice mesmo).
Ela só me puxa pela braço e diz: Vamos! E eu vou.
Quero voltar para conhecer o bairro da Liberdade.

*Encontrar tantas pessoas de outros Estados. Adooooooro ouvir sotaques diferentes;
*Encontrar produtos para artesanato importados que só vejo na internet;
*A quantidade de marcas. Não dá falar de todas.

Não gostei:
*O ar blasé de alguns paulistanos. Desculpem, mas as pessoas nas ruas ( e no metrô!)andam como se as outras não existissem. Fiquei me sentindo um personagem do filme Matrix.
Alegria, gente!!

*Paulistano continua não gostando de dar informação.
Pior, quando o fazem informam tudo errado.
É pra gente se perder e não voltar mais? Essa era a razão do meu medo da cidade.

Quem quiser visitar minha cidade, ou mesmo o Rio de janeiro, pode vir sem susto porque aqui, se alguém não souber, vai se informar pra ensinar. Talvez até te leve.

*Do frio;

*Do rapaz mega-mal-educado-sem-senso-de-humor-e-despreparado-para-lidar-com-público, que nos fez ficar aguardando na porta, debaixo do sol quente vestindo roupa de lã, na entrada da Mega, e que não sabe que algumas pessoas no Rio (que são afáveis e de alto astral) costumam substituir o "por favor" pelo "será que eu poderia aguardar ali na sombra?" dito em tom carinhoso e solícito. Ridículo!
Eu já estou bem velha para ser corrigida.
Será que é porque eu não falo porrrrrrrrque, meu?

*De umas pessoinhas que não se importam se vão atrasar a saída do ônibus porque querem ficar mais um pouquinho.Ridículas! (Cheguei em casa às 3 da madruga);
*O preço de alguns materiais estavam mais altos que nas lojas (daí a corrida para a 25);
*De não ganhar uma máquina de costura no sorteio da Janome :(
*Não consegui encontrar EVA de 3mm;
*De ter que voltar pra casa. :(

Agradecimentos :)
* Ao Dr Luiz , que (na véspera) me liberou para viajar depois de analisar meus exames e ,finalmente, declarar que eu não sou cardíaca (mas antes me deu um susto), e
*Aos meus filhos que não demoliram a casa na minha ausência.

Fotos no Flickr

Um comentário:

angela disse...

Seu passeio realemte pode se considerar uma aventura.
E que bom que vc esta bem de saude!
Assim pode fazer novas aventuras Sandra.
Beijokas...
Angela